Segunda semana em Estocolmo

E lá vamos nós de novo!
Acho que estamos aproveitando a viagem, afinal, eu acabo nem tendo tempo de escrever aqui.
A seguir outro post gigantes, nosso diário da semana passada:

Posteres na Cinemateca - foto de Natália Santucci (pra não dizer que não tirei nenhuma).
Posteres na Cinemateca – foto de Natália Santucci (pra não dizer que não tirei nenhuma).

Segunda – 18.02
Na segunda fomos para Valhalla. Mas não se preocupem, não foi o salão dos guerreiros caídos, fomos passear em dois pontos nos arredores de uma grande avenida de Estocolmo, a Valhallavägen – que descobri depois que é uma das ruas mais longas da cidade e tem grande valor arquitetônico. Na região, visitamos o Estádio Olímpico, inaugurado nos Jogos Olímpicos de 1912. Eu gostei bastante, e foi uma pena não ter grandes habilidade fotográficas. O estádio é bem pequeno, tem torres altas com mastros saindo de esculturas do tijolo que lembram proas de barcos. Havia pessoas treinando corrida na pista atlética, que pelo visto para este fim tem a neve retirada e amontoada ao redor e, neste montinho, havia pessoas treinando corrida com esqui. As estruturas de ferro, como as catracas de entrada, tem um estilo bonito, que denunciam a idade da construção. Também há as esculturas, fora do espaço esportivo, que dariam fotos incríveis no clima sombrio do inverno.
Saindo dali, fomos à sede do Instituto Sueco de Cinema – a Cinemateca – que é um prédio interessantíssimo, tinha alguns figurinos expostos e, embora não tenhamos assistido nada por ali, há duas salas de exibição, biblioteca e um andar relacionado a alguma faculdade de moda – que agora eu preciso realmente descobrir qual é para, quem sabe no futuro, estudar aqui por uns tempos.

Terça – 19.02
Na terça voltamos aos arredores da Cinemateca, pois a Lele descobriu um concerto da orquestra da Swedish Radio Symphony Orchestra. Fomos ao complexo que reúne a rádio e o canal de televisão SVT, mas na recepção da rádio descobrimos que os ingressos e as apresentações eram na Berwaldhallen, uma sala de concertos perto dali. Não chegamos a acompanhá-la no dia do concerto, mas valeu a visita, pois o prédio era bem interessante – a parte de concreto da fachada fica iluminada com luzes coloridas e a sala de ensaios com paredes de vidro nos permitiu ver um pouquinho o ensaio da orquestra.
Tanto na segunda quanto na terça pegamos ônibus para voltar para casa, o que nos permitiu ver mais um pedacinho da cidade. Depois me concentrei em concluir e enviar um projeto para seleção.

Quarta – 20.02
Combinamos de ir ao Nordiska Museet, finalmente! Como um resfriado estava ameaçando me pegar, fiquei em casa o dia todo, e combinei de encontrar os outros direto no museu. A parte engraçada foi que, saindo do metrô, peguei uma rua errada e tive que usar meu inglês “macarroni” para conseguir pedir uma informação. Deu certo, mas me atrasei e quando cheguei ao museu o pessoal já estava lá há algum tempo. Fiquei chateada, não gosto de me atrasar e era eu quem estava infernizando para ir a este museu, por causa da exposição “Power of Fashion – 300 years of clothing”. Sinceramente, acho que eu poderia MORAR dentro daquele museu!
Como eu já tinha comparado antes, ele é tipo o Museu da Casa Brasileira – reúne objetos de uso cotidiano e se torna uma aula de história do design em diversos segmentos. Havia móveis, louças, roupas e até mesmo uma cabana ali dentro – o fundador do Skansen e do Nordiska é o mesmo, então isso faz um sentido enorme, no fim das contas.
Fiquei maravilhada com as cenas compostas recriando os ambientes e temas – que iam desde uma sala de jantar a um funeral – além das roupas e objetos dos Sami, um grupo étnico indígena da região da Lapônia, as casas de bonecas de vários séculos, a exposição de jóias e de cabelo, em um ambiente que recriava um salão dos anos 1970 e tinha até algumas peças de roupas feitas com fios. Comprei o catálogo da “Power of Fashion”, pois não consigo imaginar um livro falando sobre o significado das roupas na Suécia circulando pelo Brasil. E quase comprei o das jóias também, mas mantive os gastos sob controle.
Saindo de lá, passamos no supermercado para comprar alguma coisa para beliscar e fomos ao ao Lilla Hotellbaren, mas não ficamos muito tempo. As coisas eram muito caras e a banda que começou a tocar não nos agradou, então fomos caminhar pela região, que ainda não conhecíamos.
É um pedaço mais boêmio da cidade, com bares, casas de show, cinemas – inclusive o Victoria, em uma esquina e com letreiro em neon, onde são exibidos alguns filmes da programação da Cinemateca. Eu realmente gostaria de ter conhecido um cinema daqui por dentro. Andamos até bem perto de uma ponte que leva aos arredores do Ericsson Globe, mas aparentemente não era um lugar muito bom para circular a pé, então tiramos algumas fotos e retornamos dali.

Quinta – 21.02
Acho que a “maldição da quinta-feira” me pegou. Pela segunda semana consecutiva a quinta não foi um dia bom para mim, achei que fosse morrer de enxaqueca e náusea – um viva à TPM. Passamos rapidinho por um mercado de especiarias e produtos estrangeiros, parecido com os mercados públicos centrais das capitais brasileiras, bem perto da T-Centralen. O Miguel voltou para casa comigo, pois eu estava realmente me sentindo mal e não queria ficar sozinha.

Sexta – 22.02
A sexta era o dia da orquestra para a Lele. Nós ficamos papeando no escritório dos nossos amigos suecos, e pudemos rever a esposa de um deles, uma gaúcha que conhecemos no Brasil. Foi bem legal. O Gabriel saiu um pouco antes, pois precisava comprar algumas coisas, depois nos reencontramos em casa e os meninos foram ao mercado enquanto eu esperava em casa e aproveitava para concluir a apresentação e enviar mais dois projetos para outra seleção. Estou realmente querendo que este ano decole em relação aos projetos pessoais.

Sábado – 23.02
No sábado madrugamos, pois precisávamos estar no centro antes das 7h para encontrar outro casal de amigos e pegar o ônibus para Borlänge. O fim de semana seria em Romme Alpin, um resort esportivo de inverno – ou seja, muitas pistas de esqui e snowboard para nos arrebentarmos.
Eu nem sei patinar com rodinhas, estava apavorada. A maioria do pessoal optou pelo snowboard, mas fiquei com os esquis, que teoricamente são mais fáceis.
A primeira grande dificuldade foi ficar em cima daquilo sem me desesperar e cair. A segunda foi pegar o lift esquisitinho para subir pra pista. A terceira foi descer. Na primeira vez, para evitar uma trombada com a fila do lift, caí em um buraco de neve e quase não consegui levantar, mesmo com a ajuda de outra moça que estava esquiando. Na segunda, trombei com a tela de separação da fila e meio que atropelei um menininho. Na terceira tive uma cãibra e desisti da descida deslizante – mas tive que descer mancando toda a pista e carregando o esqui, que pesa infinitamente mais do que eu poderia imaginar. Depois disso, fomos nos encontrando em um dos cafés de Romme até dar a hora de ir para o hotel. O Miguel e eu gostamos do hotel, chegamos, tiramos um cochilo, tomamos um bom banho, depois fomos todos para um único quarto ver o Melodifestivalen, que é um programa parecido com o The Voice Brasil.

Domingo – 24.02
Acordamos cedo no domingo, pois o ônibus nos pegaria no hotel às 9h. O café da manhã do hotel estava bem gostoso, eu poderia ficar lá comendo até o ônibus das 11h. Fomos para a estação de esqui com todas as nossas coisas, pois infelizmente não voltaríamos para o hotel depois. Acreditem, neste dia nós passamos calor!
Quase todos pegaram esqui neste dia. Passei um tempo meio apavorada de descer as rampas, mas o Gabriel se habituou bem depressa e ficou um tempo comigo e com a Letícia, ajudando a gente a aprender a frear e fazer curvas.
Depois disso fiquei um pouco mais confiante e segui o dia descendo a rampa, embora não criasse coragem como os outros de ir para outras mais altas. Foi divertido e descobri que ainda sei cair sem me machucar – ou dei muita sorte.
Na volta para Estocolmo quase todos do ônibus cochilaram, mas começou a passar “A Espada Era a Lei” na tv do ônibus e, mesmo que estivesse dublado em sueco, eu adoro este desenho e assisti ele inteiro.
Nosso dia terminou com a chegada em Estocolmo – exaustos, doloridos, mas depois de um fim de semana muito divertido isso tudo é detalhe.

Nova Fase, Blog B, Belas Artes e Retomada

Saudações, leitores!

Eu não imaginava o quanto as mudanças em minha vida neste ano me deixariam offline. Tentei retomar o blog aqui algumas vezes e nunca consegui juntar tempo e disposição – tenho dezenas de rascunhos de posts que nunca mais finalizei para publicar.
Hoje, por engano, postei aqui um texto do Delírio Contemporâneo, uma espécie de blog “lado b”, onde às vezes posto coisas aleatórias. Não era pra ser uma brincadeira de primeiro de abril, juro!

A parte boa é que agora as mudanças chegaram a um ponto que vai me deixar um pouco mais de tempo livre, então provavelmente em abril eu vá conseguir retomar a proposta de um filme por dia. E, se não conseguir, vou pensar em outra estratégia para manter o blog com atualizações periódicas, pois algumas pessoas me disseram que gostaram tanto do blog que não quero deixá-las sem textos novos.
ATUALIZADO 09.04.12: O blog será retomado em Abril como semanário e, ocasionalmente, podem acontecer postagens extra. Mesmo com tempo livre, surgiram outras responsabilidades das quais não posso me esquivar, então a estratégia encontrada para não precisar fechá-lo foi esta.

Aproveito a postagem para divulgar a página no Causes em defesa do Belas Artes, onde as novidades sobre audiências públicas e coisas do tipo estão sendo divulgadas. No último dia 17 estive na manifestação em frente ao prédio, a luta continua e é muito importante que nós, fãs de cinema, façamos parte dessa causa, independente de morarmos em São Paulo ou não.

Agora vou aproveitar a inspiração e ir ali escrever sobre algum filme. Até mais!

Imagem originalmente em Spresso SP.

#61 – O Artista

Poster estadunidense.

Um reflexo gritante da falta de tempo causada pelo TCC é que no final de 2011 eu não assisti quase nada. e 2012 começou com tantas mudanças que, mesmo assistindo vários filmes, não consegui falar sobre nenhum. Lançamentos ou filmes em cartaz? nem sabia de mais nada disso!

Então chegou o Oscar, cheio de indicações a filmes que eu nem sabia direito do que se tratavam, e meio mundo falando sobre o grande vencedor, “O Artista” – que tentei convencer o namorado a ver comigo aqui em Porto Alegre, mas sem sucesso. Quando fomos para São Paulo para minha colação de grau, finalmente convenci o gatinho a ir comigo ao Espaço Unibanco Itaú Augusta para assistir.

Antes de comentar o filme, vou mencionar três incômodos que tive na sessão: do nada o filme parou, as luzes se acenderam e ficamos todos olhando em volta para ver se aparecia alguém do cinema pra falar alguma coisa, mas nada. bem chato. mas pior que isso, só as vozes que estavam vazando da parte de trás da tela para a sala – seria a brigada de incêndio? – e aquelas pessoas não falavam, mas gritavam, de forma que mesmo o filme tendo trilha sonora era possível ouví-las.
E, para completar, havia um pernilongo se banqueteando dos espectadores do filme.

O namorado não gostou, achou o filme lento, mas eu achei lindo, gostei de verdade.

O enredo é simples, aborda a decadência de um astro de filmes mudos de Hollywood(land) com a chegada dos filmes falados e a ascensão de novas estrelas. Algumas pessoas criticaram por ser um filme “americanizado”, embora de origem franco-belga, mas acho meio descabido fazer esse tipo de crítica, pois quantas vezes o cinema conta história originais de outros países? O filme conta uma história com personagens estadunidenses, gostariam que fossem como? Parisienses?
Adorei as cenas de dança e, mesmo não gostando muito que utilizem animais em filmes e espetáculos, não posso negar que o cãozinho do filme é encantador.

O filme é metalinguístico – mostra o cinema dentro do cinema, e todo ele é composto como um filme original da era muda, desde os créditos.
Vi muita gente pontuando a questão de a primeira cena – muda, com as falas sendo mostradas em uma tela de fundo preto, exatamente como os filmes de 1920 – ser de um filme de George Valentin, o protagonista interpretado por Jean Dujardin, onde seu personagem se recusa a falar, assim como posteriormente Valentin se recusa a trabalhar com filmes falados. Uma boa abertura para mostrar a que veio.

Se precisasse definir o filme todo em uma palavra, seria doce, pois há uma doçura enorme no sentimento de Peppy Miller, interpretada por Bérénice Bejo, por seu ídolo, George Valentin, e todo o cuidado que ela tem com ele, mesmo quando se torna uma das estrelas em ascensão – personificando o ideal de “jovem, bela e falante” – enquanto ele vai caindo no esquecimento.

Sem grandes efeitos especiais, há algumas cenas interessantíssimas, onde os efeitos são empregados para mostrar os pesadelos e alucinações que começam a incomodar Valentin, e depois soube que o filme foi gravado em cores, para que trabalhassem melhor os contrastes, e convertido posteriormente para preto e branco. É bastante curioso ver alguns trechos coloridos pela internet.

Acho que o que mais me encantou no todo foi a ousadia de se lançar um filme nos moldes de 1920 quase cem anos depois, quando lançamentos e relançamentos em 3D se alastram pelas salas do mundo todo e efeitos especiais mirabolantes por vezes compensam roteiros fracos. O filme é simples, doce e bonito, transmite muita coisa pela expressão dos atores, figurinos e trilha sonora, e talvez tenha ganhado todos os prêmios que ganhou justamente por trazer de volta o encantamento que o cinema vem perdendo no meio dos excessos.

Vou ver de novo, com certeza.

[mais]

Indicado a 10 Oscars, levou 5 prêmios: Figurino, Diretor, Trilha Sonora Original, Ator e Filme. Indicado a 12 BAFTA, ganhou 7: Filme, Diretor, Ator, Roteiro Original, Trilha Sonora Original, Fotografia e Figurino.

Algumas cenas.
Mais uma cena – bem bonita, por sinal.

Título Original: The Artist
Origem e Ano: França e Bélgica, 2011
Direção: Michel Hazanavicius
Roteiro: Michel Hazanavicius
Gênero: Drama
Figurino: Mark Bridges
Música: Ludovic Bource

No IMDB.
No Adoro Cinema.
No TorrentButler.

Imagens: Moviespad, Sarahism.

Belas Artes – A Luta Continua em 2012

Bom dia, caros!

Como sabem, este blog tem uma profunda ligação afetiva com o cine Belas Artes, um dos principais cinemas de rua de São Paulo e que atualmente é centro de uma batalha entre a sociedade e a especulação imobiliária.
No fim do ano passado, os órgãos responsáveis por tombamentos em esfera municipal e estadual avaliaram porcamente a solicitação feita, considerando que o “imóvel não tem valor arquitetônico” por já ter sofrido modificações, invés de considerar que o patrimônio a ser tombado é imaterial, pois trata da manutenção da atividade cinematográfica no espaço, que se tornou durante tantas décadas de atividade muito mais que um mero espaço de exibição.
Quando a esperança de termos nosso cinema de volta já estava quase se extinguindo, surgiu uma nova chance: uma liminar solicitando reavaliação dos processos, para evitar que durante o recesso dos órgãos públicos o proprietário do imóvel o demolisse.

Há uns dois dias encontrei um manifesto em defesa do cinema – disponível no blog da Raquel Rolnik e no Facebook – e hoje saiu uma notícia no Estado, e eu não poderia deixar de registrar por aqui.

Enviem e-mails para participar do manifesto, compartilhem, retuitem. A produção intelectual brasileira já é bastante desestimulada, os espaços de exibição que não concentram blockbusters são uma minoria que deve permanecer ativa e central, não marginalizada ou em espaços impróprios.
Se não defendermos estes lugares, além de apagar a memória de nossas cidades, estaremos colaborando para o nivelamento por baixo dos filmes em cartaz – vejam como os filmes dublados já estão ganhando espaço, nos privando muitas vezes de ter a opção de ter o áudio original. E os filmes nacionais mais alternativos, que muitas vezes tem espaço naturalmente em salas como o Belas Artes, precisam de COTAS para serem exibidos nos grandes complexos.

Por hoje fica essa dica. Espero que em breve essa novela que já se arrasta por um ano tenha um final feliz, e que possamos comemorar com um Noitão na reabertura do Belas Artes.

Uma Esperança

Há alguns dias, fiquei muito deprimida ao saber que a Prefeitura de São Paulo estava dando as costas para a questão do tombamento do Belas Artes.
Eis que na última segunda-feira o Condephaat – órgão estadual de preservação patrimonial – deliberou por quatro horas e autorizou o início do estudo de tombamento do cinema, acendendo uma esperança que certamente havia se apagado após o parecer da Prefeitura.

Hoje vai ter uma festa-manifestação lá em frente às 19h.

Eu vejo uma galera reclamando do tombamento do cinema. Fico imaginando o que essas pessoas defendem ser preservado na cidade – mas imagino que elas não valorizam nada, que para elas cidades não passam de ruas congestionadas, o emprego e shoppings. Ou pior: que só na Europa há coisas que devem ser preservadas.

#56 – The Runaways – Garotas do Rock

Poster irlandês.

“The Runaways” foi um filme que esperei ansiosamente por mais de seis meses, até que foi exibido em pré-estréia integrando a programação de um Noitão do Belas Artes. Fiquei muito empolgada durante toda a sessão, embalada pelos hits da banda e encantada como Kristen Stewart e Dakota Fanning conduziram bem suas personagens, bastante diferentes da imagem difundida de ambas atrizes – principalmente Kristen, fortemente associada à Saga Crepúsculo.
O filme mostra, além da história da banda, as diferenças de personalidade entre Joan Jett e Cherie Currie, e posso usar como exemplo duas situações de vestuário: enquanto Joan exibe sua rebeldia através de uma camiseta customizada com tinta spray e rasgos, Cherrie se apresenta em um momento vestida como David Bowie e em outro usando uma lingerie cor-de-rosa. É interessante observar também que alguns elementos do visual de Joan demonstram a passagem dos anos 70 para os 80 – um exemplo disso são as cores fortes, muito semelhantes à tendência Color Blocking, que é considerada atualmente uma das mais fortes para o verão.
Joan Jett e Cherie Currie estiveram bastante envolvidas na produção do filme, e frequentemente Kristen e Joan eram fotografadas juntas no set. Talvez por esse envolvimento, o longa fica bem mais focado em Joan e Cherie do que no restante da banda, o que pode ser considerado bom ou ruim dependendo da maneira como cada expectador encara. Biografias são complicadas de analisar, principalmente quando são baseadas em autobiografias: um livro de memórias nunca vai tratar apenas dos fatos, vai envolver a memória afetiva de quem narra, as impressões pessoais que teve. Uma vez adaptadas, estas memórias ainda vão ter o recorte que o roteirista achar mais adequado. Particularmente, não me incomoda “The Runaways” ter o foco que tem, pois não se trata de um documentário, não é historiografia.
Descobrir mais sobre a banda e sua importância, pesquisando depois de curtir o filme e as músicas é uma diversão à parte.

[mais]

Acima, a banda do filme, abaixo The Runaways originais.

Segundo o blog Mundo de Coisinhas Minhas, onde peguei a imagem acima, a baixista original da banda, Jackie Fox, não autorizou que a retratassem no filme, então a substituíram por uma personagem chamada Robin. Também é mencionado um documentário: “Edgeplay – Um filme sobre The Runaways” (2004), que eu não conhecia e agora vou procurar pra assistir.

Baseado no livro “Neon Angel“, escrito por Cherie Currie e Tony O’Neill

Título Original: The Runaways
Origem e Ano: EUA, 2010
Direção: Flora Sigismondi
Roteiro: Floria Sigismondi
Gênero: Biografia
Figurino: Carol Beadle
Música: The Runaways, Joan Jett e David Bowie

No IMDB.
No Adoro Cinema.
No TorrentButler.
Site oficial.

#55 – Ilha do Medo

Poster original

“Ilha do Medo” foi um dos filmes que assisti em uma das maiores salas do Belas Artes, só dando mesmo algum crédito que o filme não passava de um suspense caça-níqueis por estar em cartaz lá.

Ao contrário do que dizem, o cinema não era uma exclusividade da “elite” – tinha um dos ingressos mais baratos da cidade e era a primeira opção entre meus amigos e eu para ver qualquer filme. Nenhum de nós foi criado em bairros nobres, pelo contrário, e estamos nos esforçando muito para terminarmos a faculdade. Porque não somos “elite”, precisamos nos esforçar pra conseguir ter emprego. Mas antes que este texto se torne uma crônica sobre elite, patrimônio cultural e poder aquisitivo, retomo o filme.

A ilha do título abriga um presídio psiquiátrico, do qual uma paciente desapareceu, e uma dupla de agentes viaja para investigar.
É um suspense muito bem feito, que convida o expectador a tirar suas próprias conclusões, característica comum a outro filme de Scorcese, “A Última Tentação de Cristo”, e que certamente divide opiniões. A fotografia é limpa e evidencia a turbulência dos momentos onde há muita água, quando as imagens se tornam confusas como os caminhos da investigação do detetive Daniels.
Sandy Powell, que criou as roupas de “Entrevista com o Vampiro” e trabalhou com Scorcese e DiCaprio em “O Aviador” assina os figurinos, e mostra novamente sua competência com roupas de época – a história deste longa se passa em 1954.

[mais]

Adaptação do livro homônimo de Dennis Lehane, publicado em 2003. No Brasil, inicialmente foi publicado com o título “Paciente 67“, alterado na edição posterior ao filme.

Título Original: Shutter Island
Origem e Ano: EUA, 2010
Direção: Martin Scorsese
Roteiro: Laeta Kalogridis
Gênero: Suspense
Figurino: Sandy Powell

No IMDB.
No Adoro Cinema.
No TorrentButler.