#19 – Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1

Poster com o Prof. Snape, um dos personagens mais importantes da série.

“As Relíquias da Morte: Parte 1” não é um filme com muita ação, assim como a primeira parte do livro que o originou. É como se fosse a segunda parte de uma trilogia, pois dá continuidade ao que ficou aberto em “O Enigma do Príncipe’ e introduz a batalha final que se aproxima.
Voldemort finalmente está retomando o poder e até mesmo a escola se torna um lugar onde Harry não pode aparecer – desta maneira, ele, Rony e Hermione não retornam a Hogwarts, mas iniciam uma fuga e ao mesmo tempo a busca pelas Horcruxes, que precisam ser destruídas para enfraquecer o Lord das Trevas.
Creio que neste filme, o desafio maior para os personagens na realidade seja lidar com as próprias emoções – o que não é uma tarefa tão simples, muito menos na adolescência e, neste caso, com uma guerra se iniciando.

[mais]

Adaptação do livro “Harry Potter e as Relíquias da Morte”, de J.K. Rowling, publicado originalmente em julho de 2007 no Reino Unido – exatamente 10 anos depois da publicação do primeiro livro da série, “Harry Potter e a Pedra Filosofal. A tradução brasileira foi publicada menos de quatro meses depois.
Em 2007 chegava aos cinemas a adaptação do 5º livro, “Harry Potter e a Ordem da Fênix”.

Direção: David Yates
Figurino: Jany Temime
Origem: EUA, Reino Unido
Gênero: Fantasia
Roteiro: Steve Kloves
Música: Alexandre Desplat

No IMDB.
No Adoro Cinema.
No TorrentButler.

#16 – Harry Potter e a Ordem da Fênix

Poster original.

Mais um da série (5/8), “Harry Potter e a Ordem da Fênix” é, junto com “O Prisioneiro de Azkaban” (3º), um dos meus livros preferidos – e uma das esperas mais aguardadas, pois só chegou às minhas mãos quase três anos depois do “Cálice de Fogo” (4º).
O filme, por sua vez, inaugura a direção de David Yates, que comandou a franquia até o fim da série, o que trouxe coisas boas – a continuidade no estilo dos filmes, na estética, no ritmo e a interessante utilização de animações em algumas sequências – e ruins – os buracos de continuidade, que identifiquei facilmente pois só vi os últimos filmes este ano, anos depois de ler os livros, às vezes tendo a impressão de “de onde surgiu esse personagem?”, e momentos que considero equivocados em relação à pessoa da narrativa, pois deixamos de ver os acontecimentos pela ótica do Harry – como em todos os filmes anteriores e nos livros – e recebemos informações de uma “terceira pessoa”.
Apesar disso, “A Ordem da Fênix”, como o livro, é um dos meus preferidos. É sombrio, investe numa ligação maior entre Harry e o vilão Voldemort, e apresenta uma de suas mais fiéis seguidoras, a enlouquecida vilã Bellatrix Lestrange, encarnada com perfeição por Helena Bonham Carter. Voldemort começa a aparecer mais também, dando espaço à interpretação de Ralph Fiennes.
Mas há uma vilã ainda mais assustadora, que tenta disfarçar sua crueldade num visual “fofo”: a professora Umbridge, que transforma Hogwarts em um lugar hostil aos alunos.
Como já comentei anteriormente, a cada ano o enredo vai se tornando mais complexo, de acordo com o crescimento de Harry Potter. Nesta quinta parte, os elementos já estão bastante desenvolvidos: há conspiração, romance, aventura, mistério, feitiços mais elaborados, perigos ainda maiores. E as revelações continuam surgindo, contando a Harry cada vez mais sobre este conflito do qual é protagonista sem ao menos saber porquê.

[mais]

Adaptação de “Harry Potter e a Ordem da Fênix”, de J.K. Rowling, publicado em junho de 2003 e chegando apenas 5 meses depois no Brasil, depois do longo intervalo de quase dois anos entre seu lançamento e o volume anterior da série.

Direção: David Yates
Figurino: Jany Temime
Origem: EUA, Reino Unido
Gênero: Fantasia
Roteiro: Michael Goldenberg
Música: Nicholas Hooper

No IMDB.
No Adoro Cinema.
No TorrentButler.

#13 – Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

Poster com o personagem Sirius Black, o prisioneiro do título.

Eu tinha muito medo de ver “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban”, pois tenho um ciúme enorme dos meus livros preferidos.
Neste filme, pelo menos duas coisas foram alteradas em relação aos dois antecessores: a direção passou de Chris Columbus para Alfonso Cuarón, e o ator que interpretava o professor Dumbledore, Richard Harris, faleceu e foi substituído por Michael Gambon.
Fiquei muito apreensiva e, quando fui vê-lo, não gostei.
Mas devo admitir que foi birra de fã, mais uma vez, pois recentemente assisti a série inteira para poder relembrar e ver a última parte no cinema e, assim como o livro, “O Prisioneiro de Azkaban” se tornou um dos meus preferidos.
A terceira parte de “Harry Potter” é uma das melhores – se não for a melhor – e mostra que as coisas ficarão cada vez mais sombrias na vida de Harry e da comunidade mágica. A ameaça agora fica por conta tanto do fugitivo de Azkaban, a prisão dos bruxos, quanto pelos medonhos guardas, que possuem o poder de aniquilar qualquer sentimento feliz apenas com sua presença.
A fuga de Sirius Black, um personagem tão interessante quanto Snape, desencadeia uma série de revelações e altera o rumo de muitas coisas na jornada de Harry.

[mais]

Adaptação de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, de J.K. Rowling, publicado em 1999 – chegando no Brasil no ano seguinte.

Direção: Alfonso Cuarón
Figurino: Jany Temime
Origem: EUA, Reino Unido
Gênero: Fantasia
Roteiro: Steve Kloves
Música: John Williams

No IMDB.
No Adoro Cinema.
No TorrentButler.

#12 – Harry Potter e a Câmara Secreta

Poster original.

Inicialmente eu pretendia falar da série toda em sequência, mas ontem eu não poderia deixar de comentar sobre “Presença de Anita”. Mas vou continuar daqui: “Harry Potter e a Câmara Secreta” é o segundo filme dos oito que compõem a cinessérie.
Um dos pontos que me agrada muito, tanto nos livros quanto nos filmes, é que a complexidade do enredo aumenta conforme Harry vai ficando mais velho. Se em “A Pedra Filosofal” ele tem um primeiro contato com o mundo mágico e começa a descobrir os perigos que há nele, em “A Câmara Secreta” ele percebe que as coisas são muito mais sombrias do que pareciam no início – utilizando uma frase do primeiro filme, ele vai aprendendo a cada ano que “nem todo bruxo é bom”.
Ao contrário do filme anterior, este aqui é um dos meus preferidos, a adaptação me agradou bastante e os efeitos especiais também. O mistério e a atmosfera de ameaça estão mais presentes do que no primeiro, e os trechos em flashback contribuem, não apenas com a qualidade do filme, mas para contar um pouco sobre o passado de Lord Voldemort, e desenvolver a história a partir do ponto onde ele está tentando recuperar seus poderes e voltar para enfrentar o responsável por sua derrota.

[mais]

Adaptação de Harry Potter e a Câmara Secreta, segundo livro da série de J.K. Rowling.

Direção: Chris Columbus
Figurino: Lindy Hemming
Origem: EUA, Reino Unido
Gênero: Fantasia
Roteiro: Steve Kloves
Música: John Williams

No IMDB.
No Adoro Cinema.
No The Pirate Bay.

#10 – Harry Potter e a Pedra Filosofal

Poster original.

Meu primeiro contato com Harry Potter foi em 1999, pouco depois de fazer 12 anos, quando ganhei os dois primeiros livros da série – que devorei em dois dias.
Eu não vi “Harry Potter e a Pedra Filosofal” no cinema, e quando vi em casa tive a impressão que iam acabar com meus personagens tão queridos – impressão um pouco exagerada de fã, admito, pois revendo o filme anos depois não o acho ruim, pelo contrário, apesar de não ser o melhor da série. Alguns efeitos especiais me incomodam até hoje, principalmente a cena das cartas, que é muito parecida com uma sequência do filme “Matilda”. Também continuo sentindo falta da parte onde – no livro – a Hermione precisa usar lógica para descobrir qual é a poção correta.
Acho que “A Pedra Filosofal” tem, sobretudo, aquele ar de descoberta do finalzinho da infância, é uma aventura doce.
Tem gente que não gosta de Harry Potter. Respeito a opinião de quem assistiu ou leu e não se identificou. Mas vocês vão perceber conforme eu for comentando alguns filmes – principalmente estas séries superfamosas – que não respeito opiniões de gente que odeia por odiar. Perdoo adaptações fracas, perdoo filmes ruins, mas não perdoo ignorância.

[mais]

Versão cinematográfica do livro Harry Potter e a Pedra Filosofal, da britânica J. K. Rowling, publicado em 1997.

Direção: Chris Columbus
Figurino: Judianna Makovsky
Origem: EUA, Reino Unido
Gênero: Fantasia
Roteiro: Steve Kloves
Música: John Williams

No IMDB.
No Adoro Cinema.
No TorrentButler.